Sob Controle

“Profissão Repórter” ganha ao apostar em temas “quentes”

Foto: Divulgação / Rede GloboClaro que nem sempre há casos de forte apelo, repercutindo em todo o País e mobilizando a opinião pública. Mas, diante das oportunidades, o "Profissão Repórter" tem investido em temas mais "quentes". E, nesses casos, o jornalístico liderado por Caco Barcellos, na Globo, se mostra mais interessante.

Leia também:
"A Liga" aposta em Rafinha e, de novo, na onde do funk
SBT acaba com "Casos de Família"

Foi assim na edição desta terça (27.08). Diante da polêmica gerada pela vinda de médicos cubanos para atender em locais da rede pública onde não há profissionais brasileiros (principalmente periferias das grandes cidades e regiões Norte e Nordeste), o programa apostou no tema - mostrando que muitas vezes o problema não é apenas falta de pessoal, mas de infraestrutura e condições de trabalho.

Entre as reportagens, a precariedade de hospitais de Fortaleza (CE), com cerca de 130 pacientes atendidos em macas nos corredores. Em São Paulo (SP), foi retratada a luta de uma família para conseguir um exame num bebê de sete meses que sofre de convulsões diárias. Só na capital paulista, 12 mil pessoas estão na fila para fazer uma ressonância magnética. Recentemente, o programa mostrou a luta de quem espera por um transplante de rim. Tenso!

O drama na saúde pública é um tema recorrente no "Profissão Repórter" - porém, mais do que nunca o assunto gera debate. Como já frisei, nem sempre é possível pegar carona na atualidade. Mas é isso que confere dinamismo à equipe de jovens repórteres orientados por Caco (lembrando que o programa tem o objetivo de mostrar os desafios desses jovens profissionais, os bastidores de uma reportagem).

Em meio a assuntos como a seriedade do trabalho de humoristas ou festas populares que são tradições pelo Brasil, o "Profissão Repórter" se destacou mesmo nas últimas edições ao trocar a curiosidade pelo factual. A chacina na vila Brasilândia, em São Paulo, deu origem a uma edição sobre crimes cometidos em família; as manifestações, principalmente no Rio e em São Paulo, motivaram a ida de repórteres, e do próprio Caco, para o meio dos protestos. Teve ainda um programa sobre a qualidade (ou a falta dela) do transporte público.

Tudo isso, claro, exige correria nos bastidores e produção de última hora, a gente bem sabe. Mas os repórteres em formação também têm de sentir um pouco da pressão do jornalismo diário, não é? A tensão e o empenho valem a pena. A audiência, sem dúvida, também se movimenta positivamente diante de assuntos mais palpitantes.

Siga-me no Twitter: @gustavobaena
Curta a FanPage da coluna no Facebook: sobcontroleblog

Sobre Gustavo Baena

Gustavo Baena é jornalista e já passou por diversas mídias: TV, jornal, rádio e webTV. Foi repórter e apresentador de programas jornalísticos e de entretenimento na RedeTV!, Band e TV+. Ainda assinou colunas e críticas sobre televisão no Diário do Grande ABC, Diário Popular e Diário de S. Paulo/Organizações Globo. É um incansável pesquisador da história do veículo e seus bastidores. Entre os focos de estudo, estão telenovelas latinas (exibidas no Brasil ou não), remakes e, claro, as produções nacionais. Também é roteirista profissional e empresário de Comunicação. Desde 1º de março, é crítico de TV do Yahoo e assina o blog "Sob Controle", analisando destaques da programação.

YAHOO TV NO FACEBOOK