Datena está “profundamente arrependido” de ter negociado um sequestro durante “Brasil Urgente”

Apresentador, durante negociação (Foto: Reprodução)

O jornalista José Luiz Datena, 55, admitiu estar arrependido de ter feito negociação com um bandido ao vivo, na quarta-feira (28), durante o programa "Brasil Urgente", na Band.

Leia mais:
Datena ficou incomodado com 'Pânico na Band'
Apresentador Datena é ameaçado de morte

O apresentador negociava a liberação de uma família que estava sendo usada como refém em um sequestro (veja o vídeo aqui). Após o programa , Datena conversou com o site "UOL" e julgou que não deveria ter agido daquela maneira.

"No momento em que comecei a falar com o sujeito percebi que não deveria ter feito isso. Mas já tinha começado e não tinha como voltar atrás. Me arrependi profundamente de fazer aquilo. Não é nosso papel como jornalista. Fico feliz que as pessoas foram salvas, mas não podia ter feito isso. Fui levado contra os meus princípios", avaliou.

O apresentador contou que tudo aconteceu por insistência da polícia: "O coronel pediu. Mas não sou negociador. Não estou preparado. Nunca mais farei isso", disse. "Não considero uma atitude jornalística correta". Ao ser questionado sobre o motivo de ter aceitado o pedido da polícia, ele desabafou: "Em programa ao vivo você tem segundos para resolver algumas coisas. E não tem ninguém para resolver por mim."

Para encerrar o caso, Datena disse que estava tremendo. "Passei mal. Não tinha como continuar no programa."

Vale lembrar que...

Em 2008, durante o caso do sequestro da estudante Eloá, Datena criticou a apresentadora Sônia Abrão por ter entrevistado Lindenberg (o assassino da adolescente) direto do cativeiro.

"Repórteres e apresentadores se meteram a negociadores da polícia e não negociadores coisa alguma. Não têm o direito de se intrometer numa negociação policial. Sempre tive essa moça na mais alta conta, mas ele diz que ando criticando colegas. Quem eu critico, merece ser criticado. E critico quem faz besteira. (…) Depois de uma entrevista ele não quis se entregar mais. Isso é uma insanidade", disse ele, na época.

Ao ser questionado pela equipe do "UOL" sobre a crítica que fez à apresentadora, Datena observou: "Não critiquei a Sonia Abrão, mas toda a imprensa. Naquela ocasião, a polícia não pediu para ninguém ligar para o Lindemberg. Eu tinha o telefone dele e não telefonei."

Carregando...